Catedral Basílica de Saint Denis

Saint Denis, República Francesa
Região: Île de France
Tema:
Cristianismo Católico
Visita: Abril, 2013 e Setembro, 2017

Website location
Website GoogleMaps

Basílica é também um título honorário dado a todo o tipo de igrejas, de todas as épocas, que foram sede de uma grande peregrinação. Apenas uma catedral é de categoria superior. Em 1966, a basílica foi elevada à categoria de catedral, nome derivado de “cathedra”, que significa sede do bispo, chefe da diocese ali localizada. Uma cópia do trono de Dagoberto, cujo original está no Cabinet des Médailles da Bibliothèque Nationale, é atualmente usado pelo bispo como sede episcopal. O primeiro edifício ergue-se do túmulo de Saint Denis, um bispo missionário que morreu sob o jugo do domínio romano na segunda parte do século III. O corpo do santo atraiu muitos enterros principescos ao seu redor desde o final do século IV.


A elegância da Igreja: Os Vitrais
Os grandes temas da fachada oeste do século XII, que apresenta o Antigo Testamento como a prefiguração do Novo Testamento, culminam na janela que ilustra a vida de Moisés e na que Suger chamou de janela anagógica, significando aquela que “conduz para cima” .

A capela central abriga o tema da árvore de Jessé, famosa ao longo da Idade Média, que é apresentada pela primeira vez em um edifício. Esta genealogia simplificada de Jesus é a encontrada no início do Evangelho segundo Mateus.

O local de descanso final dos reis e rainhas da França. Construída sobre o túmulo de Saint Denis, um bispo de Paris que morreu em 250 dC, a abadia real de Saint-Denis foi, desde a morte do rei Dagobert em 639 dC até o século 19, o local de sepultamento de 43 reis, 32 rainhas e 10 servos da monarquia. A basílica foi elevada à categoria de catedral em 1966.

Um museu de escultura. Com mais de 70 estátuas reclinadas e túmulos monumentais do Renascimento, a basílica contém dentro de suas paredes a maior coleção de esculturas funerárias dos séculos XII a XVI. O nascimento da arte gótica. A igreja, projetada pelo abade Suger, conselheiro dos reis de 1135 a 1144, foi concluída no século XIII durante o reinado de São Luís. Grande obra de arte gótica, esta igreja foi a primeira a dar grande importância à luz, símbolo da divindade, na arquitetura religiosa.


Mas a basílica de Saint-Denis não foi o “cemitério dos reis” desde o início do reino franco como qualificado por um cronista do século XIII. Até o século X, a abadia estava em acirrada competição com muitos outros cemitérios, especialmente com Saint-Germain-des-Prés. Com a ascensão dos capetianos em 987, o seu papel como necrópole real foi gradualmente confirmado e a maioria dos soberanos foi ali sepultada até ao século XIX; embora, por motivos políticos, religiosos ou pessoais, alguns reis, como Filipe I em 1108, Luís VII em 1180, Luís XI em 1483, Carlos X em 1836 e Luís Filipe em 1850, fossem sepultados noutros locais. Luís XVIII, que morreu em 1824, foi o último rei a ser enterrado na basílica.

Ao longo da história, os reis francos sempre estiveram em busca de legitimidade, o que explica em parte sua vontade de serem enterrados com as relíquias de São Denis, Rústico e Eleutério (os três foram martirizados juntos). Por meio de seus poderes, os reis pensavam ter adquirido poder e proteção durante sua vida, principalmente para suas batalhas e para ir diretamente ao Paraíso.


Foto-α: Louis XVI e Maria Antonieta, em mármore branco
Fonte: HistoryOfTheMonument 


“O Estado sou Eu”

Luís XIV de França

UM Valew Valew OnTheRoad ==🤙

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.