Museu Judaico da Galicia & Gueto

Cracóvia, República da Polônia
Região: Kazimierz, Bairro Judeu
Tema:
Judaísmo & 2a Guerra Mundial
Museu:
Galicia Jewish Museum
Visita: Outubro, 2019

Website location
Website GoogleMaps

Não é precisamente um post sobre religião, seguindo o tema proposto para as publicações previstas, mas adicionei o Museu Judaico da Galicia para expor a dimensão da intolerância religiosa, e nada mais radical que as consequências do holocauto exercido pelos nazistas aos judeus da Europa, em particular os Judeus Poloneses, durante a 2a Guerra Mundial [39-45].

Devemos voltar um pouco antes da 1a Guerra Mundial [14-18], no período do Império Austro-Húngaro, nesta Região conhecida como Galícia, eis a razão do nome do Museu. Atualmente  dividida entre os teritórios da Polônia e Ucrânia.

Após a tomada Nazista aos “Sudetos”, gerando a Crise dos Sudetos de 1938 que teve origem nas exigências que essa Região, na antiga Checoslováquia,  devia ser anexada à Alemanha, o que de facto aconteceu, depois do Acordo de Munique. Acordo que permitiu tal anexação e foi “gatilho” para a ambição de Hitler. Não longe o território Polonês sucumbiu a ação Nazista deflagrando a 2a Guerra, com a invasão ao território polonês inicia-se de imediato a caçada aos Judeus … E o resto é história.

O Museu Judaico da Galiza existe para homenagear as vítimas do Holocausto e celebrar a cultura judaica da Galiza Polonesa, apresentando a história judaica de uma nova perspectiva. O Museu alberga duas exposições permanentes, sede da exposição fotográfica permanente internacionalmente aclamada – Traces of Memory, acompanhadas por um vasto leque de exposições temporárias.


Usado como um moinho antes da guerra, hoje o edifício do Museu renovado tem uma sensação leve, contemporânea e pós-industrial – utilizando vidro, metal e madeiras brilhantes – enquanto ainda mantém muitos dos elementos e estrutura originais do edifício.


TRACES OF MEMORY: A CONTEMPORARY LOOK AT THE JEWISH PAST IN POLAND – TRAÇOS DE MEMÓRIA: UM OLHAR CONTEMPORÂNEO DO PASSADO JUDAICO NA POLÔNIA

A exposição original foi baseada em muitos anos de pesquisa e fotografia. Começou no final da década de 1980, quando o professor Jonathan Webber chegou à Polônia como convidado do Instituto de Sociologia da Universidade Jagiellonian de Cracóvia. Webber procurou os vestígios do passado judaico que ainda pontilhavam de forma aleatória e imprevisível as pequenas cidades e vilarejos do sul da Polônia, bem como as memórias ainda persistentes nas mentes da população local. Trabalhando aldeia por aldeia e cidade por cidade em viagens de campo que continuaram durante vários verões, Webber reuniu lentamente uma quantidade significativa de material. Em 1993, ele foi abordado pelo brilhante fotógrafo inglês Chris Schwarz, que lhe perguntou se ele compartilharia suas descobertas para que pudesse documentar visualmente o assunto.


Assim começou uma colaboração criativa de vários anos. Graças à pesquisa meticulosa de Webber, em 2002, época em que ainda havia relativamente pouco interesse na Polônia sobre seu passado judaico, Schwarz criou uma coleção de cerca de 1.000 fotografias poderosas e decidiu estabelecer o Museu Judaico da Galícia para abrigar sua exposição. Os dois homens trabalharam juntos na escolha e organização das fotos para a exposição Traços da Memória, inaugurada em Cracóvia em 2004.

Traces of Memory ofereceu um olhar completamente novo sobre o passado judaico na Polônia e incluiu várias características únicas que o distinguiram de outras exposições que tratam da Polônia judaica e do Holocausto, tornando este projeto verdadeiramente notável.

Maiores informações sobre Exposições Permanentes e Temporárias só acessar a página do Museu. 🔗GaliciaJewishMuseum.org/Exhibitions

GUETO

Após visita ao Museu um passeio pelos arredores do Gueto é obrigatório. A sensação é um mix de encantamento pela oportunidade de vivenciar através de seus “fantasmas” um sitio histórico e também pela comoção dos dramas vividos entre cercados de arames, muros vigiados e metraladoras prontas para atirar sem piedade.

A cidade de Cracóvia fica no sul da Polônia. Antes de 1918, era a sede da província austríaca da Galiza. Em 1939, 60.000 judeus residiam em Cracóvia, quase um quarto de uma população total de cerca de 250.000 pessoas. O exército alemão ocupou Cracóvia na primeira semana de setembro de 1939. A perseguição aos judeus começou imediatamente e se intensificou depois que os alemães declararam Cracóvia como a capital do Governo Geral.


Em maio de 1940, os alemães começaram a expulsar os judeus de Cracóvia para a zona rural circundante. Em março de 1941, eles expulsaram a maioria dos judeus. Apenas cerca de 15.000 permaneceram em Cracóvia. No início de março de 1941, os alemães ordenaram a criação de um gueto em Podgorze, ao sul de Cracóvia, e não em Kazimierz, o tradicional bairro judeu da cidade. Os alemães concentraram o resto dos judeus de Cracóvia e milhares de judeus de outras cidades no gueto. Quase 20.000 judeus foram confinados ao gueto, que foi cercado com cercas de arame farpado e, em alguns lugares, um muro de pedra. Os bondes atravessavam o gueto, mas não paravam dentro de seus limites.


Os alemães criaram várias fábricas dentro do gueto, incluindo as fábricas Optima e Madritsch, nas quais os judeus eram usados ​​para trabalhos forçados. Em março de 1942, os alemães prenderam cerca de 50 intelectuais no gueto e os deportaram para o campo de extermínio de Auschwitz-Birkenau. Na segunda metade de 1942, os alemães deportaram cerca de 13.000 pessoas do gueto. Em março de 1943, os alemães destruíram o gueto de Cracóvia. Mais de 2.000 pessoas foram deportadas para Auschwitz-Birkenau e mortas. O resto da população do gueto foi deportado para o campo vizinho de Plaszóvia. Em janeiro de 1945 as forças soviéticas libertaram Cracóvia.


Embora Kazimierz agora seja apenas uma presença judaica residual, o retrato por ali desenhado como distintamente judeu é de alguma forma expressivo na consciência da rica e prodigiosa tradição judaica em Cracóvia por mais de 600 anos, e do trágico episódio do Holocausto, do qual o Gueto continua a ser um lembrete gritante.

Sinagoga Remuh

Foto-α: [Painel Lateral] Museu Judaico da Galicia 
Fonte: EncyclopediaUShmm.org/krakow-cracow


Ao lado da Sinagoga Remuh,
há um espaço reservado à memória e ao legado de Jan Karski
Membro do exército clandestino polonês,
conhecido como o “homem que tentou impedir o Holocausto”.
O monumento em Cracóvia foi instalado em 2016
semelhantes em Łódź, Varsóvia, Kielce e Tel Aviv.

UM Valew Valew OnTheRoad ==🤙

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.